Próximos Eventos

«   Dezembro 2016   »
seteququsesdo
   1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
 

mais ...
Star Trek: Discovery Review Episódio 9 - Into The Forest I Go
Escrito por Cesar Augusto   
Ter, 14 de Novembro de 2017 16:01

DIS 13-113

Desde o início do episódio, recebemos sinais variados  com base em coisas que já vimos antes. A Discovery recebeu ordens para voltar para trás das linhas da Frota Estelar quando a missão em Pahvo deu errado. Lorca solicita ficar para fazer a segurança do planeta, enquanto a Nave da Morte  Klingon de Kol está se aproximando do planeta, mas seus argumentos são ignorados. Com as comunicações encerradas, a nave espacial volta para casa em dobra cinco em vez de usar a movimentação de esporos, e são os argumentos de Saru que parecem dar a Lorca a motivação completa para planejar um meio de descobrir o funcionamento do dispositivo de camuflagem Klingon - e eles têm três horas para fazê-lo .

Ok, aqui está o problema para começar. Lorca mostrou um desprezo flagrante por outras formas de vida (o tadígrado, a baleia espacial, etc.), de modo que sua compaixão por Pahvo (entidades essencialmente vivas dentro de cada planeta e rochas na superfície do planeta, mas muito menos corpórea do que as demais ) parece falso. E não para esquecermos,  Pahvo não entra em jogo. Na semana passada, eles são os que enviaram o sinal para a nave de Kol, aparentemente tendo um plano maior em mente (e desencadeando memórias dos Organianos no Star Trek original, formas de vida superiores que impuseram uma paz forçada contra o conflito). Esta semana, qualquer que seja o plano, não entra em jogo e provavelmente não irá.

Mas aqui é onde as coisas realmente viajam, destruindo a credibilidade do episódio (e talvez a maior parte da temporada): vinte minutos depois, eles inventaram uma teoria de techno-babble para utilizar um dispositivo para ler o algoritmo das naves camufladas, tornando-as assim visíveis aos seus sensores. Um grupo de desembarque usando dispositivos bio-sensor para se fazer ler como Klingons, terá que transmitir e instalar os tais dispositivos. Não surpreendentemente, Burnham e Tyler são os únicos que podem fazer isso (o que é surpreendente é como Burnham tem que convencer Lorca para deixá-la participar - este é exatamente o tipo de coisa para o que ela foi trazida a bordo).

O que está tudo bem, exceto pelo fato de que em vinte minutos eles encontraram uma solução que os iludiu durante toda a guerra. Vinte minutos de “mágicas roteiristicas”. Por os cientistas da Frota que eles não conseguiram resolver isso durante os meses de guerra antes disso? Isso faz zero sentido.

Acrescentar um pouco tensão ao episódio, enquanto Burnham e Tyler estão cumprindo sua missão, Lorca precisa que Stamets faça 133 micro-saltos para que possam ler todos os aspectos da nave Klingon para colocar o algoritmo em vigor. Stamets é relutante, dado o necessário desgaste físico e mental que ele sofrerá, mas Lorca apela ao seu lado científico, mostrando que ele está relatando todos os saltos de Stamets esse tempo todo e traçou a possibilidade de alcançar universos paralelos. Informa que não sabia que o capitão cuidava disso (alguém acredita que ele realmente cuida?), Stamets concorda, acreditando que, quando a guerra acabar, eles voltarão a sua missão principal de explorar o universo.

Quando o sinal de uma nave Klingon é detectada, a Discovery volta a Pahvo. Lá, o Nave dos Mortos dispara contra eles, proporcionando a oportunidade para que Burnham e Tyler passem para a nave e comecem a operar. Ao longo do caminho, eles encontraram a câmara que tínhamos visto anteriormente com cadáveres, bem como com o almirante Cornwell (que continua a estar viva, embora sem o uso de suas pernas), bem como L'Rell. O encontro com essa última desencadeia um pouco de “stress pós traumático” em Tyler, que fica sobrecarregado e paralisado (surpreendentemente uma vez que considerando como ele não teve nenhum problema em entrar em luta física com ela quando fugiu da prisão Klingon vários episódios mais cedo) e é tomado por flashbacks que sugerem tortura ou , talvez, cirurgia dolorosa. Isso combinado com flashes rápidos posteriores - além da excitação muito remota de L'Rell ao vê-lo - parece reforçar a teoria de que Tyler é na verdade uma versão cirurgicamente alterada de Voq, o que será uma grande decepção se for verdade.

Seqüência muito legal à medida que Discovery se interpõe, e ataca a nave Klingon e se transporta. Kol usa a camuflagem da nave, que desencadeia o algoritmo, permitindo que a Discovery faça suas leituras e se prepare para derrubar a embarcação. A intercalação efetiva com a câmara de esporos transmite a agonia Stamets está sofrendo.

DIS 13-114De volta a nave Klingon, de repente eles estão falando inglês, que é realmente o resultado do tradutor universal de Burnham! Mesmo que a mudança elimine a natureza pesada que essas seqüências Klingon costumam ter. Na ponte da nave, Burnham expõe-se, alegando que o seu tradutor está lá para provar seu desejo de se comunicar. Além disso, ver o pin de insígnia do capitão Georgiou (que Kol diz que ele limpa os dentes) desencadeia uma reação nela, que o Klingon gosta de provocar. Burnham desafia-o a uma batalha até a morte depois de revelar que ela é a única que matou T'Kuvma, de quem é essa nave. Rindo, ele aceita seu desafio e eles se envolvem em uma luta muito bem coreografada com lâminas Klingon. Burnham definitivamente se revela como sendo uma boa lutadora aqui. A Dicovery, com a frequência adequada, trás a bordo Tyler e Cornwell, com L'Rell saltando no feixe no último momento. Então, Burnham, que consegue arrancar as insígnias de Georgiou, é transportada na metade da batalha. Após isso, a Discovery abre fogo e destrói a nave de Kol.

DIS 13-111Cornwell é enviada a uma base através de um transporte médico, onde se espera que ela tenha uma recuperação completa, o que, apesar de mandar seus melhores desejos de recuperação, Lorca não se sente bem, sabendo que ela tinha toda a intenção de lhe tira a Discovery até que ele tivesse obtivesse ajudado para seus problemas emocionais.

Boa sequência entre Tyler e Burnham, em que ele detalha o que passou e o que tinha que fazer para que L'Rell o mantivesse vivo (inclui sexo assustador, nos quais temos  vislumbramos durante um pesadelo que ele teve antes de ir para sua cela, perguntando o que ela fez para ele. Ao que ela responde: "Não se preocupe, nunca vou deixar que eles te machuquem, logo ...").

DIS 13-112A Frota Estelar quer que a Discovery venha para casa, onde Lorca deve receber uma condecoração. O capitão, por sua vez, conta à Stamets, em recuperação, que ele quer que ele a receba em seu lugar. Ele também manipula mais ou menos Stamets para fazer mais um salto para a Base Estelar. Stamets enfatiza que este é o seu último salto; ele quer que os melhores médicos da Frota Estelar examinem sua condição e descubra o que está acontecendo com ele.

Então, o último salto ocorre, antes do qual, da cadeira de comando, Lorca ativa uma substituição com o nome dele. Ele comenta com um sorriso: "Vamos para casa" e o salto ocorre, aparentemente errado. Os olhos de Stamets viram os de Gary Mitchell (os fãs de TOS perceberão essa referência), enquanto a Discovery se encontra em um segmento de espaço aparentemente desconhecido. Sua base estelar não está onde deveria e há destroços de naves Klingon ao redor. Stamets diz que pode ver "todas as permutações", o que parece implicar que ele está experimentando múltiplas realidades ao mesmo tempo. Então, qual dessas realidades Discovery apareceu? Estamos no universo espelho do mal da série original e Deep Space Nine ? Ou em outro lugar totalmente novo? Ou ainda no universo de TOS que aparentemente não é o mesmo da Discovery?

Esta aparentemente seria outra teoria do fã tornada realidade: que Lorca é do Universo Espelho (embora isso não seja confirmado neste episódio) e para sua casa foi onde ele realmente os trouxe.

O capitão Sisko entra no Universo Espelho do século 24 em 'Deep Space Nine'

Se a tripulação estiver em um universo alternativo, então, afastando a USS Discovery, há um movimento muito inteligente em termos de canonicidade . Enquanto os fãs podem encontrar muitas inconsistências entre esta versão do século 23 e a série original, potencialmente novos episódios ocorrem em um universo alternativo, ou talvez múltiplos universos alternativos diminuam esse problema. Em outras palavras, não conhecemos as histórias dos universos paralelos de Star Trek, assim como conhecemos o Universo Primário. Obviamente, a capacidade da movimentação de esporos para transportar a nave instantaneamente em todo o universo está aparentemente limitada a quanto tempo Stamets pode lidar com os cálculos que atravessam seu cérebro, o que explica por que a tecnologia não apareceu no tempo de Kirk ou Picard. Mas, se a Discovery for abandonada fora do Universo Prime de forma permanente, torna mais fácil para o espectador simplesmente imaginar o resto do século 23 se transformando no retro-futurismo dos anos 60 da série original.

Alguns elementos interessantes, mas as invencionices da história - particularmente a solução relativamente simples para o problema da camuflagem que os assombra - são enfurecedores.

Todavia temos outras preocupações que podem aparecer ou não. Se Discovery realmente se tornar "Perdidos no Multiverso"?. Porque uma nave espacial que voa através de infinitos universos paralelos parece muito com “Sliders” misturado com “Contratempos”. Mas teríamos também a premissa Trekker “Indo onde ninguém mais esteve” levada ás últimas conseqüências.  mais interessante do que um show focado apenas em guerras que acontecem nas estrelas.

Os momentos que levaram a uma grande reviravolta no final da primeira parte da temporada de Star Trek: Discovery , o capitão Lorca diz ao tenente Stamets: "Depois disso, é um novo capítulo para a Discovery". Ostensivamente, Lorca está se referindo ao fim iminente da guerra da Frota Estelar com o Império Klingon e uma era renovada de exploração para a nave. Mas seu comentário também explora como uma sinopse deste episódio e talvez os próximos episódios de 2018. Como com o episódio final de 2017, os escritores do Discovery transportaram a serie para um novo universo de possibilidades. Literalmente. . Os universos paralelos em que as leis da física são diferentes do que conhecemos no nosso, poderiam deixar essa versão de Star Trek fazer ficção científica, um pouco mais estiloza do que a franquia já foi antes.

Facebook dos StarTrekkers Brasil e para entrar em nosso grupo oficial no whatsapp, mande email para   Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. , com seu nome completo e idade.

 

Curta nossa página

Star Trekker

Entrar pelo Facebook
Valid XHTML & CSS | Template Design | Copyright © 2014 by